Ministério da Saúde, 2011. Download aqui.

Sumário

Apresentação 17
1 introdução 19
2 detecção de casos 23
2.1 busca ativa de sintomáticos respiratórios – sr 23
2.2 outras doenças respiratórias e estratégia pal (who, 2005)(do inglês, practical approach to lung health) 25
3 tratamento diretamente observado – tdo 28
3.1 definição 28
3.2 justificativa 28
3.3 estratégia operacional 28
4 diagnóstico 32
4.1 diagnóstico clínico-epidemiológico 32
4.2 diagnóstico bacteriológico 34
4.3 diagnóstico radiológico 38
4.4 diagnóstico com a prova tuberculínica 40
4.5 diagnóstico histopatológico 42
4.6 outros métodos diagnósticos 42
4.7 o diagnóstico da tb na criança 48
5 tratamento 56
5.1 princípios do tratamento 56
5.2 a escolha do melhor esquema de tratamento 57
5.3 regimes de tratamento 59
5.4 esquemas de tratamento 60
5.5 reações adversas 64
5.6 condições especiais 67
5.7 controle do tratamento 72
6 tuberculose e hiv 75
6.1 diagnóstico clínico-epidemiológico 75
6.2 tratamento da tb em pacientes vivendo com hiv/aids 77
6.3 tratamento antirretroviral – tarv 78
6.4 teste anti-hiv em pacientes com tuberculose 84
7 tuberculose e tabagismo 89
7.1 a associação entre o uso do tabaco e a tb 89
7.2 o envolvimento ativo do programa nacional decontrole da tuberculose no controle do tabaco 90
7.3 fortalecendo o sistema de saúde para instituir
O tratamento para a dependência do tabaco no programa nacional de controle da tuberculose 93
8 controle dos contatos 96
8.1 definições para proceder ao controle de contatos 96
8.2 processo de avaliação de contatos 97
9 tratamento preventivo da tuberculose 101
9.1 prevenção da infecção latente ou quimioprofilaxia primária 101
9.2 tratamento da infecção latente ou quimioprofilaxia secundária 102
10 vacinação 106
10.1 indicações 106
10.2 contraindicações e precauções 107
10.3 evolução da lesão vacinal 10
10.4 eventos adversos e conduta 108
11 medidas para reduzir a transmissão do m. Tuberculosis 112
11.1 políticas para o controle da infecção tuberculosa em serviços de saúde e de longa permanência 112
11.2 medidas de controle em instituições de saúde 113
11.3 medidas de controle no domicílio e outros ambientes 119
12 resistência aos fármacos antituberculose 121
12.1 tratamento da tuberculose resistente 123
12.2 acompanhamento do tratamento 136
12.3 tuberculose extensivamente resistente – tb-xdr 138
12.4 tratamento preventivo em contatos 139
13 populações especiais 141
13.1 população privada de liberdade 141
13.2 população em situação de rua 150
13.3 povos indígenas 155
13.4 profissionais de saúde 158
14 programa nacional de controle da tuberculose 166
14.1 papel das três esferas de governo 167
14.2 estrutura da atenção à pessoa com tuberculose 171
15 vigilância epidemiológica 187
15.1 ações de vigilância 187
16 sistemas de informação 192
16.1 registro de dados de tuberculose nas unidades de saúde 193
16.2 sistema de informação de agravos de notificação – sinan 194
16.3 sistema de informação da tuberculose multirresistente – tb-mdr 199
17 planejamento, monitoramento e avaliação 204
17.1 planejamento 204
17.2 monitoramento e avaliação 207
17.3 avaliação da visita 211
18 participação comunitária, mobilização social e advocacia 221
Pesquisas 225
Anexo a – matriz de programação da procura de casos 228
Anexo b – ficha de acompanhamento do tratamento
Diretamente observado – tdo 232
Anexo c – registro de pacientes em tratamento de tuberculose 234
Anexo d – requisição de exame – gerenciamento de ambiente laboratorial – gal 237
Anexo e – registro de sintomáticos respiratórios 239
Anexo f – ficha de notificação do sinan e sinan-net 240
Anexo g – boletim de acompanhamento de casos 246
Anexo h – indicadores de monitoramento e avaliação das ações de controle da tb 247
Anexo i – ficha de notificação de casos de tb multirresistente 271
Anexo j – instrucional de preenchimento –
Ficha de acompanhamento de casos de tb multirresistente 273
Anexo k – instrucional de preenchimento –
Ficha de acompanhamento pós cura 281